2008-10-26

Se a beleza existe...

Ela está aqui:

Schumann mais profundo que o Mozart de Perahia, mas o processo é de alguma maneira mais importante que o resultado final. Ouça com cuidado.

2008-10-18

Tarde de domingo

Não sei se foi o vinho que tomei no almoço.

A sensação de que eu sabia o que queria, de que eu alcançava os meus objetivos era clara como nunca. Se normalmente não sabia o que perseguir ou como chegar lá, hoje a satisfação era perfeita, ou quase. Eu sabia ou achava que sabia...

Não sei se foram as nuvens espessas e cinzentas.

Os raciocínios complexos tornavam-se simples, conseguia ver ao longe as conseqüências de minhas ações; os meus desejos, rapidamente e um após o outro, tornavam-se realidade. Podia ver a beleza da previsão cumprida. Ilusão? Tinha a certeza de que não era.

Não sei se foi a luz do sol intercalada por sombras escuras.

Mas nada era melhor do que saber o que se queria e o que não se queria, uma certeza profunda do melhor caminho, um encontro definitivo que parecia o verdadeiro, o derradeiro. Um momento fugaz, irreproduzível? Tinha a certeza de que não era.

Não sei se foi o vento assoviando na janela.

Sentia um terno aquecimento, uma feliz completude. Uma sensação de juventude eterna. Uma vontade de não me mexer dali. De aproveitar o momento até quando fosse possível. O momento. A perfeita mistura de sonho e realidade.

Não sei se foram os sons da cidade, que atravessavaram o quarto.

Eram reconfortantes sensações de que tudo estava em seu lugar, em seu movimento constante em direção ao progresso, rumo a um mundo melhor. Nem precisava pensar: sabia o que faria. Tudo finalmente estava claro.

Não sei se foram os prédios molhados, cinzentos e escuros.

Mas o brilho do sol não se perdia. O sol estava ali, dentro de mim. Já adivinhava o futuro. Eu sabia o que aconteceria, segundo após segundo. O mundo desfilava na minha frente como se seguisse minhas ordens, meus desejos. Eu já não tinha dúvidas de que esse momento fantástico não era um momento. Era a própria vida, a eternidade.

Não sei se foi o passarinho que cantou.

Entretanto, em minha imponente clarividência, eu sabia o que aconteceria. Eu sabia que ela abriria os olhos. Sabia que voltaria do seu mundo dos sonhos, me olharia com seus doces e profundos olhos como se me visse pela primeira vez, sorriria suavemente e me diria com aquela sua voz inconfundível e sonolenta, como se tivesse se surpreendido em me ver ali:

"Olá, Paulo".





2008-10-17

Como fede essa Lula!

O brasileiro é tão bonzinho! Ele aprova o próprio carrasco, o chefe do partido dos trambiqueiros, o rei dos petralhas, o Maloqueiro-mór. O brasileiro é o escravo por excelência.

Em todo o mundo estão aparecendo as notícias - praticamente indecifráveis para estrangeiros - "Polícia luta com polícia em São Paulo" (aqui). Estranhamente ninguém diz que o PT está por trás de mais essa tentativa de golpe, como estava por trás das "revoltas" do PCC. Haja paciência.

2008-10-15

Recuperação do gelo

Esta é mais uma da série "Notícias que ninguém dá". A apocalíptica previsão dos neoreligiosos do aquecimento global de que o Pólo Norte não teria mais gelo neste verão não se realizou. Além disso, a cobertura de gelo recupera-se de maneira muito rápida, rápida demais até. Será isso um indício de uma nova era do gelo? Ainda não, mas chama a atenção o fato da mídia ser tão rápida para noticiar "aquecimentos" e tão omissa nos "resfriamentos"...

Clique no gráfico para ampliar. A linha vermelha é a extensão de gelo de 2008. Note como sobe rapidamente. Se continuar assim, o inverno - no hemisfério norte - de 2008 baterá um record de extensão de gelo.

Do excelente blog "Watts up with that".



2008-10-11

Brendel toca Schubert

Sonata D960 pelo magnífico Alfred Brendel.

1 Molto moderato





2 Andante sostenuto



3 Scherzo Allegro vivace con delicatezza



4 Allegro ma non troppo 7:34


Outro preconceito meu

Sim, eu admito! Tenho preconceito. Tenho tanto preconceito que até fico com vontade de vomitar. A ex-ministra do turismo, Marta Suplicy que disse para todo mundo ouvir "relaxa e goza" com aquele seu ar de sexóloga experiente quando os brasileiros estavam entupindo os aeroportos, me causou um preconceito impossível de superar. E quando a vi pessoalmente, o meu preconceito se transformou em algo implacável, visceral mesmo.

Eu tenho muito nojo dela. Ah, ia me esquecendo... este é um aviso didático para o Luis Inácio Lula da Silva, o Maloqueiro-mór, que parece não entender o que é "preconçeito": preconceito é quando a gente não conhece e repudia. O que eu tenho é justificável repugnância a alguém mesquinho e desprezível. Isso é normal e saudável, viu Maloqueiro-mor?

2008-10-06

Sedução Demoníaca



Para prevenir a bem conhecida sedução demoníaca exercida pelas mulheres, o respeitável clérico islâmico Sheikh Muhammad al-Habadan recomenda às muçulmanas que mostrem um só olho quando usam o Jihab.

Há quem pergunte se não seria melhor remover os olhos do Sheique.

E aí, religião merece respeito, ou só algumas?

2008-10-04

Arqueologia da USP é premiada

Finalmente a USP é reconhecida. Ontem à noite os pesquisadores Astolfo G. Mello Araujo e José Carlos Marcelino foram agraciados com o prêmio IGnobel por mostrarem que tatu faz bagunça em sites arqueológicos. Parabéns USP. Parabéns pesquisadores. Vocês merecem!

REFERENCE: "The Role of Armadillos in the Movement of Archaeological Materials: An Experimental Approach," Astolfo G. Mello Araujo and José Carlos Marcelino, Geoarchaeology, vol. 18, no. 4, April 2003, pp. 433-60.

Enquanto o verdadeiro prêmio Nobel brasileiro não sai, é melhor rir. O tempo passa mais rápido e é mais divertido...

2008-10-03

Português, dialeto do espanhol?

É comum que os amantes da língua Portuguesa se esqueçam que o Português é simplesmente um dialeto do Espanhol. Alguns nunca souberam deste fato básico, que aparentemente os espanhóis também preferem ignorar.

É sabido que o Espanhol e o Português são ainda mais parecidos entre si do que o Espanhol e outros dialetos, como o Catalão. Por incrível que pareça o bairrismo entusiasmado dos falantes do Português faz com que neguem simples fatos da vida como esse.

Se não acreditam em mim, vejam algumas frases simples:

Todo insecto tiene seis patas. (Espanhol)
Todo inse(c)to tem seis patas. (Português)

El ladrón robó todo. (Espanhol)
O ladrão roubou tudo. (Português)


Oh! Uma diferença: em espanhol se diz "todo" tanto para todo ou para tudo. O que não deixa de ser confuso, mas dizer que as línguas são diferentes não passa de ignorância. Vamos ver mais:

Las cerezas están muy maduras. (Espanhol)
As cerejas estão muito maduras. (Português)

Vêm as diferenças? "...tán" vira "...tão". Isso não é diferença senão de pronúncia. Façam-me o favor!

Acreditar que estamos falando de duas línguas diferentes é tão ridículo que existe um artigo na Wikipedia (em Inglês) chamado "diferenças entre Português e Espanhol" (aqui). Ora, se é possível listar as diferenças em um artigo wiki isso só pode significar que são dialetos. Eu diria que o Português é um dialeto do Espanhol, uma língua mais falada e mais desenvolvida, com muitíssimos mais livros publicados.

Alguém ainda discorda? Vamos então listar as diferenças entre o Coreano e o Japonês?

2008-10-02

Livros velhos ma non troppo

Até os sebos da Austrália são melhores que os do Brasil. O que estou dizendo? Claro que os sebos são melhores, ninguém lê nada no Brasil e, quando lê, é naquele dialeto do espanhol... algum livro do cretino do Paulo Coelho, ou a biografia de Lula, vocês sabem.

Em um desses sebos escondidos na cidade encontrei uma verdadeira obra prima. Chama-se "The New Intelligent Man's Guide to Science", de Isaac Asimov. Só que esta não é uma obra de ficção: o autor propõe-se a explicar o estado das ciências na época em que o livro foi escrito, no meio dos anos '60.

Nunca antes tinha visto tanto material e tão lúcidas explicações. O livro é divido em capítulos com nomes como "O Universo", "A Terra", "A Molécula", "A Célula" e assim por diante. As descobertas mais relevantes nessas áreas são citadas e explicadas sempre de forma que uma pessoa inteligente possa entender. Claro que muito mais seria necessário para realmente compreender cada uma das disciplinas, mas o livro tem o mérito de explicar um pouco da seqüência em que foram feitas descobertas cruciais e, o mais importante, como sabemos disto ou daquilo. Muitas vezes explica-se que o universo é assim e assado mas não se descreve o raciocínio que fez com que os cientistas chegassem a essas conclusões. Por diversas fiquei sabendo de muito que não sabia, especialmente no fantástico capítulo "A Molécula" que descreve a tortuosa seqüencia sobre a qual foi montado o edifício da Química Orgânica.

Sem sombra de dúvidas, o melhor livro de Asimov que já li. Uma maneira prática de compreendermos o mundo à nossa volta e as descobertas que possibilitaram o mundo moderno e o excelente nível de vida e conforto de que gozamos.

Tem até entrada na Wikipedia aqui. Para comprar na Amazon, clique aqui.

------------------
Um leitor ficou chateado porque chamei o Português de "dialeto do Espanhol". Há que aceitar os fatos, caro leitor. Os galegos também acham ruim, mas a verdade é que o Galego é um dialeto do Español quase igual ao Português. Uma forma de verificar o que digo é pegar um dicionário português-espanhol e contar quantas palavras não são simplesmente iguais. Não há duas línguas no mundo mais parecidas, portanto são dialetos uma da outra. O espanhol veio antes e desenvolveu-se melhor, os portugueses vieram na lanterninha. Até hoje há pelo menos dez vezes mais livros publicados em Espanhol do que em Português.

Outro teste para o tal dialeto é procurar "Asimov" e "Ciência" no buscador de livros da Livraria Cultura online. Só aparecem livros em Espanhol. Português é, queiram ou não, só um dialeto. Asimov escreveu dezenas de livros com "Ciência" no título. Bom, a palavra correta é "Science".